quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Capítulo 10: Estorvo (1ª Parte)

~Sun
Dois dias haviam se passado desde que aportamos na próxima ilha da região das Ilhas Maiores de Alola. Desde que chegamos lá, nosso trabalho baseou-se puramente em pesquisa. Dia e noite, White e eu estávamos nas bibliotecas, procurando todos os detalhes possíveis sobre a Team Dim Sun da região de Almia e a possível relação de Caitlin Hall com Blake, de mesmo sobrenome, o líder da sociedade secreta que atuou por meio da Altru Inc, uma empresa cujo objeto de trabalho é a produção de energia.
Os links levavam todos a um mesmo lugar: a estaca zero. Almia é uma região distante, pouco conhecida e extremamente reservada. Lá não há Liga Pokémon ou qualquer outra competição no nível, mas um sistema de policiamento rigoroso que transforma jovens inexperientes em Rangers.
Estávamos contando com o apoio da polícia de lá, era lógico. Recebemos um fax com toda a ficha criminal de Blake Hall, todos os arquivos relacionados à quadrilha que ele reuniu, todos os inquéritos e listas de nomes, bem como informações sigilosas e privadas a respeito da investigação que pôs o homem atrás das grades.
Folhas e mais folhas com letrinhas miúdas, relatando o passo a passo de uma operação que ocorrera há anos atrás em um lugar muito distante e nós tínhamos que ler tudo com muito cuidado, sem deixar um único detalhe passar despercebido. E esse era o problema. Eu tinha dores-de-cabeça, cansaço e altos níveis de estresse. O que mais me incomodava era que agora todos sabiam nossos nomes. Todos.



~Sun
Eu me sentia desmoronando. Se por um único momento eu pensei que poderia vir à Alola aproveitar o clima tropical livremente, eu estava redondamente enganado. Tudo o que eu fazia aqui era me estressar. Tudo era tão massante, tudo era tão... pesado. A investigação exigia o máximo de mim, dia e noite. Eu não conseguia dormir direito, no horário correto. Passava horas acordado durante a noite, pensando no que poderia ter passado despercebido por nossos olhares preocupados, e na hora de verdadeiramente trabalhar, eu estava cansado, cochilando seguidas vezes sobre a mesa da delegacia local.
A diferença entre o estresse de trabalhar e aqui na investigação e o de trabalhar como Campeão em Unova era que lá eu não me preocupava com a segurança das pessoas ao meu redor. Quer dizer... De certo modo sim. Eu era o Campeão, eu tinha a responsabilidade de manter nossas fronteiras seguras. Mas aqui em Alola, era como estar segurando uma granada sem pino: estávamos brincando com o perigo de verdade e a qualquer momento, poderíamos nos machucar.
Sentei-me na beira do cais, molhando a pontinha de meus sapatos na água salgada, que ia e vinha, em seu movimento repetitivo de quebra de ondas. O sol batia em minhas costas, abraçando-me com um aconchegante toque de calor. Peguei meu notebook e comecei a anotar o que eu estava sentindo. Tudo. E o texto começou a ganhar forma. Um corpo, na verdade. Um mar nunca antes explorado por mim, e agora estava ali, bem nas minhas mãos. Uma obra-prima, digna de reconhecimento.
Faltava pouco para meio-dia quando ouvi passos atrás de mim. Eu havia ficado tanto tempo ali, que me esquecera completamente dos problemas. Por um momento, esqueci de minhas responsabilidades, mas quando vi White se aproximando, fechei o laptop rapidamente, a investigação voltando de supetão em minha mente.
— Vamos almoçar? — Ela perguntou, friamente.
— Estou sem fome. — Disse eu, só agora percebendo que meu estômago estava embrulhado.
— Eu também. — Disse White, como se me entendesse completamente. De fato, isso estava sendo tão cansativo pra mim quanto pra ela.
— Mais tarde, então? — Perguntei.
— Mais tarde. — E ela se afastou, meio cabisbaixa.
Ela já estava longe quando tornei a abrir o notebook. Senti que ela havia voltado seu olhar para cá, mas não dei bola. Continuei o que estava fazendo.
Depois de algum tempo, com a mente completamente espairecida, ergui-me. Coloquei o computador na bolsa e a prendi em minhas costas. Tirei os tênis e segurei-os um em cada mão, suspensos por um dedo cada. Estava completamente descalço. Ah. Como era boa aquela sensação.
Caminhei pela costa, atolando meus pés na areia aquecida pelo sol. Dei alguns chutes na água, que respingava gelada em minha pele. Eu observava o sol, cada vez mais distante, ouvia o som da natureza. O mar. O vento. A floresta. Tudo parecia emitir belos tons, quase como uma sinfonia arranjada pela própria mãe natureza.
Olhei ao meu redor. Estava tudo tão calmo. A cidade — conhecida pela enorme torre oriental — ficava a alguns metros de uma usina. Mais ao fundo, uma cadeia de altíssimas montanhas. As maiores de toda Alola, cujos picos eram tão distantes da terra, que viviam congelados, dia após dia, estação após estação. Em virtude disso, o clima aqui era mais gélido que no resto das ilhas, mas isso não era necessariamente ruim. O sol ainda era forte e eu continuava usando uma camiseta de mangas curtas. Continuava perfeito para mim.
Olhei no Relógio. Vinte e Cinco para Uma. Ainda dava tempo de dar uma explorada por aí antes de voltar para os relatórios.
Adentrei na mata que conectava a cidade à usina nas montanhas rochosas.
Lá dentro era calmo e aconchegante. Ao pisar no chão, uma série de folhas, dos mais variados tipos estralavam, produzindo um ruído encantador aos ouvidos. O ar ali era puro. Mais puro que em qualquer outra parte de Alola. E olha que a região é super harmoniosa com o meio ambiente. Talvez essa sensação fosse fruto de minha cabeça, que registrara o fato de estarmos perto de uma usina, ou talvez ali realmente fosse uma área mais oxigenada, graças à grande quantidade de árvores que cercavam aquele espaço, abrigando todo o tipo de vida selvagem, jamais antes vista ou compreendida por meus olhos.
Uma criatura alada pousou bem à minha frente, minúscula, mas com cores bem vibrantes. Penas vermelhas no topete, brancas no peito e parte interna das asas e negras no restante do corpo. Um tipo Normal e Voador, com certeza.
— Ei, amiguinho! Venha cá!
— Pi pi!
Ele pulou para longe, se afastando de mim com uns passinhos desengonçados.
— Eu não vou te machucar. — Bem, talvez só um pouquinho, na batalha que eu já estava esquematizando em minha cabeça.
— Pi pi! — O pássaro tornou a dizer.
— Ei! Calma! Eu só quero conhecer você melhor!
Mas Pikipek não deu ouvidos. Se afastou e novamente fez "Pi pi".
— Rotom. — Chamei, mas nada aconteceu.
Abri meu bolso e tateei pelo aparelho eletrônico. Rotom ressonava.
— Mais... Maaaais... Não para que tá gostoso. — Resmungou Rotom, dormindo. — Me enfia! Me enfia na sua tomada.
— EEEI! Acorde! — Sacudi a pokédex, acordando-a.
— Ahn-- Hã? Oi? Eu tô bem. Tô bem! — Disse Rotom olhando aos arredores, assustado.
— Rotom, que espécie é aquela?
— Hã? Deixa eu ver. Ah, é um Pikipek. Ele consegue atingir o adversário 16 vezes por segundo com o seu bico. Estes ataques são tão poderosos que conseguem furar madeira dura e até quebrar pedras. Os ruídos produzidos pelos seus ataques podem alertar terceiros. Alguns destes sinais foram identificados como sinais de aviso e de saudação entre aliados.
— Muito bom. — Falei.
E o Pikipek:
— Pi pi.
— O que ele diz, Rotom? Você consegue traduzir?
— Hum? — Perguntou Rotom, ainda meio sonolento.
— Pi pi.
— O que ele está dizendo?
Rotom virou a face em direção ao pokémon, que trocava as pernas no qual se apoiava no chão muito rápido, ficando momentaneamente com uma no ar, a outra no solo.
— Pi pi.
— Pi pi? — Indagou Rotom. — Seu ordinário, não acredito que me acordou pra isso! Até uma criança de 5 anos sabe que este pokémon está precisando ir ao banheiro.
#FAIL
— Pi pi.
— Quero capturá-lo. — Informei. — Tem como dizer isso pra ele?
— É claro. — Falou Rotom, de mau-humor, mas mesmo assim obedecendo: — Pi-pi-pi, pi, pi-pi, pi-pi, pi! Pi, pi, pi-pi-pi-pi, pi, piripipi! Pi? pi-pi!
Ele esperou por uma resposta. E ela veio:
— Pi pi.
— O que ele disse? — Perguntei, curioso.
— Ele disse que você parece ser um bom treinador, mas tem que ter cuidado com ele. Pikipek disse que pode perfurar qualquer inimigo com o bico, não importa seu tamanho, inteligência ou habilidades em batalha. Disse que mesmo sendo livre — termo não-pejorativo para selvagem —, ele tem força o suficiente para acabar com qualquer um que ouse pousar em seu território.
— TUDO ISSO EM APENAS DOIS "PI PI"? — Perguntei, admirado.
— Ah, e eu ainda esqueci de acrescentar. Ele disse que essas suas... "Partes" estão fedendo a alho.
— Como é?
— O que é? Foi o que ele disse, não foi?
— Ah, claro. "Pi pi". Volte, seu idiota. — Peguei Rotom à força, cliquei no botão de desligar e enfiei de volta no bolso das bermudas.
Ouvi um "Ele está certo. Fede mesmo" lá dentro, mas decidi ignorar. Peguei uma pokébola e lancei-a aos céus, libertando ninguém menos que Vikavolt para o combate.
— Vikaaa!
O besouro possuía um corpo extremamente rígido, pinças compridas e afiadas na parte frontal, asas  fininhas, mas potentes acopladas em suas costas e ainda emitia um brilho no abdômen, que eu tinha certeza de que era a energia elétrica fluindo dentro dele. Caixa-bug, quer dizer, Charjabug evoluiu assim que pisei na Ilha, em uma batalha de aquecimento. Não era necessário muito coisa afinal, para evoluir um tipo inseto.
Pikipek trocou o pé que estava no chão, olhou para Vikavolt e disse:
— Pi pi.
— Se continuar assim, eu vou começar a acreditar que você realmente precisa ir ao banheiro. — disse eu, quase crendo nas palavras de Rotom. — Vikavolt, comece com Spark!
O corpo de Vikavolt de repente ficou envolto por uma carga elétrica bastante potente, e o inseto mergulhou em um turbilhão de eletricidade contra o bendito Pi pi, quer dizer, Pikipek.
A ave, no entanto, não se intimidou, e lançou um ataque antes que pudesse ser atingido. Air Slash.
Produzindo múltiplas lâminas de ar cortante, Pikipek meneou-as contra Vikavolt e seu Spark, provocando uma explosão que jogou o inseto bruscamente contra o chão.
— Grrr! Vikavolt, avante!
O besouro altamente blindado ergueu-se, restabelecendo o voo novamente.
— Vikaaa!
— Pi pi.
— Vai, use Crunch!
Vikavolt foi com mais velocidade dessa vez, pegando impulso e se atirando pra cima de Pikipek, cravando-lhe as pinças violentamente e retirando-lhe uma boa fatia de HP.
Mas Pikipek era forte. Eu poderia jurar até que era do mesmo nível que Vikavolt, senão mais forte. Ele abriu bem o bico comprido e começou a emitir um som estridente difícil de digerir. Era Growl, um movimento de redução de Ataque, que automaticamente deixou Vikavolt menos agressivo.
Mas tendo ele usado um movimento de status, isso nos dava certa vantagem competitiva, uma vez que ele havia gastado seu tempo com um movimento que não causava danos. E nós não.
Zap Cannon! — Ordenei.
E então, o besouro criou uma bola de energia elétrica muitíssimo bem feita, espalhando faíscas por todo o chão. Após devidamente carregada, o que não demorou muito mais que um segundo, Vikavolt a soltou, disparando à todo vapor contra o pássaro. Mas para meu azar...
— Pi pi.
Pikipek bateu as asinhas, provocando uma brusca rajada de vento, que freou o Zap Cannon no meio do trajeto, bloqueando-o até explodir em pleno ar, sem causar dano algum em nenhum dos competidores.
Gust. — Observei.
E lá vinha Pikipek de novo, dest vez chegando perto o suficiente para um golpe físico à queima-roupa: Peck.
Seu bico se acendeu, energizado por uma luz meio metálica, e Pikipek voou como um jato, bicando Vikavolt tão rápido, que ele parecia que ia ser perfurado.
— Não... Vamos fazer diferente. Volte, grandão.
Coloquei Vikavolt de volta na pokébola.
— Vá, Bagon.
A pokébola retiniu, libertando Bagon e chamando-o para a luta.
— Bei!
— O Pikipek é extremamente veloz. Ele utiliza disso como uma vantagem para escapar de ataques, invocando outros ataques para formar uma barreira, antes mesmo que possa ser atingido. Por isso ouça, Bagon: está na hora de retardarmos este processo de agilidade! Está na hora de o paralisarmos!
Bagon olhou para mim e entendeu o recado. Rapidamente, um vento mágico começou a circundar o corpo de Bagon, enquanto este estufava o peito, a energia tipo dragão florescendo em seu interior. Ao abrir a boca, então, uma rajada energética muito poderosa percorreu a floresta, rasgando os ares e fritando Pikipek de uma só vez, lançando o pokémon-pássaro longe.
— Pi pi...
A ave caiu. Eu tinha só 30% de chances de fazer isso acontecer, mas o meu santo era forte. Sempre foi. Não seria agora que ele iria me abandonar.
Avistei de longe algumas luzinhas, no que identifiquei logo de cara serem fagulhas. Paralisado. Objetivo cumprido.
— Pi pi!
Pikipek começou a bater as asas novamente, ainda bom o suficiente para atacar com Air Slash.
Mas era tarde pra ele.
Dragon Claw! — Ordenei, e Bagon rebateu cada uma das lâminas de ar de Pikipek, e prosseguiu em alta velocidade, saltando ficando suas garras em uma das asas da ave para arremessá-la no chão, levantando uma nuvem de poeira e folhas secas.
Quando a fumaça se desfez, Pikipek estava com os olhinhos rodando, embriagado...
— Beleza! — Catei uma pokébola na mochila, mirei e lancei.
Não foi preciso ficar esperando ver o brilhosinho saltando pelas bordas da esfera. Foi só ouvir Rotom dizer "Registrado" em meu bolso que eu sabia que a captura havia sido concluída.
— Adivinha que nome eu vou dar pra você? — Disse eu, juntando a bola. — "Pi pi".
Então, olhei para trás e o que eu mais esperava acontecer, acabou acontecendo. Bagon começou a gritar e seu corpo se rompeu, a energia interior escapando e remodelando o lado externo. Quando estava do tamanho apropriado, a energia retornou para o lado de dentro, e o novo estágio evolutivo se fez por completo.
— SHEEEELL! — Gritou o dragão, estando muito maior do que eu agora. Admirado com cada detalhe do corpo enrijecido de Shelgon, passei a mão pela casca dura do pokémon, imaginando quanto tempo demoraria para evoluir novamente e... Peraí: Tempo? TEMPO!!!
— Ah, meu Arceus! O horário!
Lembrei-me de súbito que Uma e Meia eu deveria estar de volta à delegacia, e eu nem sequer havia almoçado ainda. Liguei a tela do celular e dei um pulo: Uma e Cinco. Corri mata à fora tentando me lembrar do caminho que eu havia feito para chegar até ali. Mas espera... O que era aquilo logo ali à frente? Era um pokémon...?
Quando avistei aquele fofíssimo Komala tirando um cochilo por detrás de um arbusto próximo, não resisti. Aquilo não ia demorar mais do que uns cinco minutinhos...

~Pawssum
Eu conseguia ver a impaciência estampada no rosto dela. Seu marido não estava mais no cais e não aparecia para o almoço, tampouco dera notícia de onde fora. Estava distante e estressado. Não estava fácil para ninguém. Lady White resolveu não esperar mais. Fez o pedido. Dali a alguns minutos, a comida chegou. Como Black não chegou, ela não se conteve. Estava faminta. Seus braços e pernas estavam visivelmente mais magros. Tinha olheiras abaixo dos olhos e o cabelo andava mal-tratado. Se não fosse uma mulher forte, eu diria que ela estava com medo. Alguma coisa desde a aparição de Lunala mudou nela, e eu sentia isso através do olhar de Black.
White cortava o bife com tremenda força que eu me peguei imaginando qual seria o rosto que ela estava imaginando na carne. Meus colegas de trabalho, detetive Kale e o juiz Kana, conversavam absortos, muito além do que se passava ao seu lado.
Viemos nós três para cá no mesmo barco que Black e White. À medida que as investigações avançavam, os garotos precisariam da gente. Então nós viemos para trabalhar  em conjunto com os policiais locais. Mas os resultados eram decepcionantes e eu tenho certeza de que isso estava chateando tanto a ele quanto a ela.
— Licença. — Disse White, se levantando, após rapidamente devorar a comida.
— Vai aonde? — Perguntou o Detetive Kale, indelicadamente.
— Por aí. — Ela respondeu. — Não se preocupem se eu me atrasar um bocado.
E se afastou, deixando o restaurante do Centro Pokémon. Quando estava longe o suficiente, chamei meus colegas:
— Ei! Kale! Kana!
Os homens me observaram com atenção, devido ao baixo tom de voz que eu empregara para dizer-lhes aquilo. Dizem que as melhores fofocas se dão aos cochichos.
— Eles são muito novos! — disse eu. — Vão desmoronar se continuarmos nesse ritmo. Estão exaustos, não podem mais continuar essa investigação.
— Não há nada a fazer, Pawssum. — disse-me o juiz Kana. — O Campeão de Alola está desaparecido. Foi dado como morto. Os desastres continuam acontecendo por toda parte. As pessoas estão com medo de voltar para suas casas, com receio de que mais um terremoto aconteça e desabe tudo sobre suas cabeças enquanto dormem.
— Eu só queria confortá-los.
— Temos que conformar o povo, colega. — disse então o detetive Kale — Eles é que são as vítimas nessa história.

~Eclipse
Eu estava decidido a dar um fim nisso. Quando soube que "Sun" e "Moon" embarcariam no S.S. Anne rumo a outra ilha, não perdi a oportunidade. Deixe a casa de meu avô trancada e entrei no navio escondido. Passei horas debaixo de uma lona que tapava equipamentos de manutenção, apertado, com fome e com sede, mas não dei o braço a torcer. Aqueles dois ainda me davam muita dor de cabeça. Eram estorvos em meu caminho. Eu tinha que descobrir o que eles estavam tramando, antes que tramassem contra mim.
E foi o que fiz: os investiguei, centímetro a centímetro, segundo a segundo. Mas, decepcionantemente, a vida daqueles dois era um tédio. Passavam o dia todo trancados em uma sala com homens de terno escuro e roupa formal que eu tinha certeza serem da lei.
Meu dia se animou um pouco, no entanto, quando vi White deixando o Centro Pokémon naquela tarde. Usava a combinação de roupas de sempre, mas parecia atordoada. Saiu em direção à mata e eu atrás, me escondendo pelos cantos para evitar ser visto. O que ela estaria aprontando? Aonde estaria indo? Mantive-me sempre a alguns metros de distância, evitando que ela me visse.
Ela reclamava baixinho alguma coisa sobre falta de compromisso e eu não queria perder nenhum momento daquela revolta. Cada detalhe poderia ser importante. Cada informação que eu obtivesse poderia ser usada contra eles. E foi o que fiz: Passei a espionar White em seu caminho rumo a sabe-se-lá-onde.
Ela entrou em um matinho fechado e eu logo encontrei dificuldade em segui-la. Pisar naquelas folhas e galhos secos sem um devido cuidado poderia chamar a atenção e revelar minha posição. Mas isso foi até eu ter uma ideia de gênio.
— Saia, Slowbro!
Deixei que a pokébola de Slowbro caísse levemente no chão, com força o suficiente somente para que ele brotasse de dentro da esfera e me ajudasse com seus poderes telecinéticos.

— Use o Psychic!
Os olhos de Slowbro brilharam e então senti meus pés deslizarem em direção ao céu. Eu estava subindo, flutuando e me movendo à vontade. Slowbro me acompanhou em um voo baixo com muito cuidado para não chamar atenção.
White já estava a bastantes metros à frente e continuava seguindo muito depressa. Vez ou outra, eu sentia que ela olhava para trás e me escondia na copa das árvores. Será que ela sabia que estava sendo seguida? Ela caminhava muito rápido e se eu não desse um jeito, a perderia de vista logo logo. E não é que a perdi? Ela dobrou à esquerda e então à direita e depois à esquerda de novo e... Ah, não. Pra onde ela foi?

~Moon
Eu estava sendo seguida. Não havia dúvidas. O barulho não vinha do chão, mas da copa das árvores. Desatei a correr floresta à dentro. O que Black sempre dizia mesmo? Correr em ziguezague e sempre manter uma pokébola em mãos? Bom, foi o que eu fiz. Meu perseguidor logo desistiria de mim quando eu me sumisse em uma vastidão como aquela floresta.
Por um momento, me perguntei se aquilo não seria coisa da minha cabeça? Não, eu estava mesmo sendo seguida. O barulho não parava. Corri e corri, desejando nunca ter entrado naquele maldito bosque quando uma sensação terrível me abalou. E se... E se Black tivesse entrado ali e sido pego? Era por isso que ele não atendia às minhas ligações! Ele poderia ter sido pego e eu fui burra o suficiente para ir atrás dele e me fazer vulnerável também. Não, White, não! Por que você é tão burra assim? Você sempre faz cagada.
Senti o suor pingando de minha testa, mas não desisti. Limpei-a com a barra da blusa e segui correndo pra lá e pra cá, em ziguezague, tentando despistar o bandido, quando de repente...
PLOF!
Caio com tudo em uma vala que separava a área das árvores de um pequeno córrego. Arranhei-me por todo o corpo. Agora o sangue brotava na mesma intensidade que o suor e o pânico me invadiu por completo. Se é que já não tinha invadido.
Levantei-me e então parei. Uma dor angustiante atingiu meu tornozelo e eu mal podia parar de pé. Droga! Por que essas coisas tinham que acontecer justo em um momento de perigo?
Entrei na água e quase virei um cubo de gelo. Eu precisava chegar do outro lado e não havia outro jeito. Com dificuldade, tentei me para o outro lado da margem, guinchando de dor.
E quando tudo parecia ter silenciado na floresta, tomo um susto: um crustáceo gigante salta de dentro d'água bem à minha frente e me encara com uma expressão medonha, pronto para me atacar.
Resolvo fazer a volta pela floresta, refazendo meu caminho, mas quando me viro de costas para o Crabrawler gigante, avisto um rosto conhecido, e esta é a última coisa que vejo antes de minha cabeça ser golpeada brutalmente.

~Eclipse
Olhei para todos os lados e estava sozinho na mata, não fosse por Slowbro flutuando ao meu redor. O que eu faria agora?
— Certo, Slowbro. Pode retornar.
Coloquei meu pokémon de volta na pokébola e resolvi seguir a pé mesmo. Onde quer que ela estivesse, eu teria de encontrar por terra mesmo.
— Onde foi que ela se meteu?
Segui caminhando rapidamente pela mata, quando dou de cara com outro rosto familiar. Era Sun... Quer dizer, Black.
Ele utilizava um Komala e aparentemente travava a batalha contra um Morellul selvagem.
Fiquei por detrás da vegetação e assisti. O pokémon que Black usava era extremamente fofinho (dá vontade de apertar até explodir as entranhas e depois lamber o sangue tamanha a fofura). Tinha a pelagem cinza e segurava um travesseiro de madeira, "meio que dormindo" por sobre o pau. Ah, quem não quer dormir no pau? Enfim... Komala dormitava em um estado de transe hipnótico, e eu não saberia dizer se ele realmente estava dormindo ou não, pois sua expressão facial mudava de uma hora para outra e ele parecia estar ouvindo Black que lhe dava instruções detalhadas. Deduzi que o tipo Normal recém havia sido capturado e o Campeão lhe ensinava a batalhar.
 
Por outro lado, Morelull, o selvagem, era um fungo minúsculo, muito comum nas florestas de Alola, dos tipo Grama e Fada. Não parecia oferecer grande resistência, mas como Komala tinha pouca experiência, aquilo poderia ser difícil para Black.
 
Mas não foi. Morelull atacou primeiro, invocando mais fungos e liberando esporos verdes por toda a área, cobrindo Komala com um pozinho que eu sabia conter substâncias faixa-preta, capazes de derrubar um Mamoswine instantaneamente.
Se Komala não estava dormindo antes, agora estava. Mas aquilo não fez muita diferença, pois Black logo sugeriu:
Sleep Talk!
E Komala utilizou um de seus outros ataques enquanto dormia mesmo. Não pude identificar qual ataque era, pois aquilo foi tão rápido, que só o que consegui acompanhar foi uma nuvem de terra e folhas secas se erguendo no local onde Morelull estava alguns segundos antes.
Só ouvi Black gritar:
— YES!
E então, uma pokébola voou em meio à nuvem, engolindo e prendendo o fungo em seu interior.
Rapidamente, a bola soltou fagulhas, revelando que a captura estava concluída e uma voz mecânica que não consegui identificar falou: "Registrado". Black comemorou, juntou a esfera do chão e a guardou no bolso.
Aproveitando que estava com a mão por ali (não pensem bobagem, crianças), tirou o celular e deu um grito de admiração:
— 10 CHAMADAS PERDIDAS!!
E saiu correndo de volta na direção da cidade. Fiquei parado, observando ele se afastar... Para onde estaria indo? E White? Onde estava? Segui meu caminho adentrando ainda mais na mata. Andei por uns quinze minutos quando de repente estabeleço contato visual com uma menina de cabelos negros, pele branquíssima e pernas tão finas quanto varetas. Era White, mas estava irreconhecível. Cabelo sujo, roupas rasgadas e vários ferimentos por toda a extensão do corpo. Estava estirada próxima a um córrego de águas geladas. Abaixei-me para examiná-la. Inconsciente.
Toquei em seu pescoço para sentir a pulsação e então minha cabeça latejou como se estivesse sendo atingida por uma bola de demolição. A última coisa que me lembro foi de meu corpo ter caído por sobre o de White.

Continua...


Pokémon Sol & Lua Adventures – Escrito e publicado originalmente por meados de Agosto de 2016 sob o título "Pokémon SL Adventures". – A cópia, venda ou redistribuição desse material é totalmente proibida. Pokémon e todos os respectivos nomes aqui contidos pertencem à Nintendo.

Ao escrever a fanfic, os autores não estão recebendo absolutamente nada, ou seja, esta é uma produção artística sem absolutamente nenhum fim lucrativo. A fanfic foi projetada apenas como uma forma de diversão, de entretenimento e passatempo para outros fãs de Pokémon. ~



Capítulo escrito por #Kevin_
A fanart acima foi encontrada na internet, NESTE Link.
Todos os créditos vão para o artista.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeito em 1º lugar! Veja bem o que você vai comentar! ;)

SIGA-NOS