quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Aventuras Tropicais 01 - Aventuras Tropicais

Depois de tanto tempo de espera, FINALMENTE chegou o primeiro dia de aula da Escola Pokémon da cidade de Konikoni! YEAH! — Para uma manhã de segunda-feira, eu até que estava muito animada. E não era para menos: era a minha grande estreia na escola pokémon!
Durante anos, vivi nas Ilhas Sevii, próximo à região de Kanto, um aglomerado de ilhas pequenas, lugar de gente humilde e sem muitos recursos. Mas meu pai sempre me aconselhou a estudar e me ensinou a dar o melhor de mim mesma em todas as situações e aqui estou, com uma bolsa integral na região de Alola angariada graças a meus esforços na feira nacional de geofísica de exploração da Ilha Sevii!
Não é que eu queira me achar, mas acabei ficando com o primeiro lugar na exposição e isso me rendeu, além da oportunidade de estudar no exterior, obviamente, tudo o que vou narrar a partir de agora, começando pela linda manhã onde engatinhando, comecei a trilhar meus primeiros caminhos como uma treinadora Pokémon!

Pokémon Ultra Sol & Lua - Aventuras Tropicais
01 Aventuras Tropicais

Mas por falar em começos, que tal começarmos por mim? (Que graça teria se eu não o fizesse?) Eu sei, eu sei! Você deve achar que eu falo muito! As pessoas costumam apontar o dedo e dizer: "tagarela" quando me veem. Dizem que eu sou uma faladeira egocêntrica metida a CDF. E advinha, só?! Acertaram em cheio! Que personalidade melhor que essa minha, leonina?  Nenhuma, eu sei. Sou a rainha da p*rra toda!
A propósito, eu me chamo Ul. Simples assim. Um nome pequeno para uma grande guerreira. E quando eu digo grande, é graaaande mesmo, sabe? Estou até pensando em ordenar construírem uma rua com meu nome. Já até imagino... Alameda Ul, onde as ricas jogam o paninho no chão só pras inimigas se abaixarem e juntar. Mas enfim, estou me afastando muito do assunto, como é, aliás, habitual de todos os dias. Opa! Pleonasmo! Se é habitual, é de todos os dias!
Ah, mas quer saber, a maioria de vocês não deve saber o que é pleonasmo, que nada mais é do que uma redundância, o mesmo que dizer "subir para cima" ou "descer para baixo". Se é subir, é lógico que é para cima. E se é descer, é óbvio que é para baixo. Mas enfim... Onde eu estava mesmo?
Aaaaah, sim. Eu estava me apresentando. Eu sou Ul, a v*dia egocêntrica, a nerd nº 1 em computação e robótica, vinda de Sevii e que agora está em Alola, finalmente, para sua primeira aula na Academia Konikoni, onde ela irá aprender a ser uma treinadora pokémon, assim como sua mãe era. Mas peraí, por que a Ul está falando dela mesma na terceira pessoa?
Ah, esqueci de dizer, no caso de você ainda não ter reparado, eu sou hiperativa. E só mais uma dica: Quando eu fico nervosa, eu não paro de falaaaaar! Então por favor, me perdoem por esse monólogo extenso, é que estão prestes a fazerem a chamada e o meu nome é o último! Ai que excitação! Isso não passa até eu ser chamadaaa! Aaaaaaaah!
Que loucura. Calma, calma. Já vai passar.
— Ul?
— S-sim! Sim, professora! Aqui! Presente!
A professora Olivia tinha um olhar de má, a típica megera de novela das nove. Mas a encarada foi tão efêmera que nem deu tempo de eu me arrepiar. 
— Bom, já que estão todos aqui, podemos iniciar a nossa aula! — Disse ela, lançando um rápido olhar duro por sobre a prancheta em todos nós. Haviam 7 estudantes naquela sala e a julgar pela expressão de cada um, pareciam tão excitados quanto eu. — Como devem ter visto no quadro, eu me chamo Olivia e darei as disciplinas Regras de Batalha, Conduta Ética em Campo e Aula Prática I. Sou também a diretora e saibam que no menor sinal de desrespeito, ficarão comigo por uma hora a mais na detenção. Entendido?!
Todos ficaram em silêncio. A moça parecia imponente e autoritária. Quem ousaria fazer qualquer pergunta?
— Como hoje é o primeiro dia de todos vocês, está na hora de apresentar o corpo docente! Podem entrar.
Ditadora Professora Olivia escancarou a porta e três adultos (como se eu não fosse praticamente adulta) surgem.
   
— Podem se apresentar. — Disse a Professora, em um tom ríspido, como se não quisesse fazer aquilo.
— Eu sou o Professor Nogueira! — disse o primeiro, com um ar sorridente e jovial (e um tórax definido que meu Deus do céu! O que é isso, Senhor? Como deixam esse homem dar aula?) — Leciono Aperfeiçoamento de Golpes, Técnicas de Drible e Battle Royal! Sejam muito bem-vindos!
Me mostre a sua casa e aí sim eu direi que sou muito bem vinda, com toda a certeza.
— Eu me chamo Burnet e serei sua professora de Poké Carona, aos sábados, onde vocês poderão aprender a montar nos mais diversos tipos de pokémon para tornar sua jornada mais fácil!
A palavra "sábado" gerou uma reação de "Ugh!" geral na galera. Por alguma razão, todos olharam para mim. Foi então que compreendi o significado de ser nerd.
— Gabriel Carvalho, esse é o meu nome! Sou o tutor de Aula Prática II, Análise de Informações e aos sábados, como matéria optativa, dou História Pokémon. Sejam bem-vindos!
— Onde está aquele moleque imprudente que ousa se auto-intitular professor? — Resmungou a Professora Olivia, fervendo de raiva, bem no momento em que um jovem acidentado passa voando pela porta, dando de cara no chão.
— AAAAAAI!
Com o impacto, o infeliz deixou cair um caixote cheio de pokébolas, espalhando aqueles itens dos mais variados tipos por toda a sala.
— Eu to bem, eu to bem! — Disse ele, se levantando.
Sinceramente, não parecia bem.
— Eu me chamo Eclipse e darei para vocês a aula de Batalha Pokémon, é isso aí! Ahn... E já que eu derrubei tudo isso aqui... Que tal se eu já distribuísse para todo mundo?
Olivia deu um tapa na testa que estralou e deixou a região vermelha.
— Era pra ser SURPRESA, seu demente! 
— Ah, vocês ainda não tinham falado? — Perguntou ele, assustado.
— Ainda não tivemos a oportunidade de chegar nessa parte, mas tudo bem, Eclipse! — Disse o Professor Nogueira, dando um tapinha nas costas do garoto. — Vá em frente!
— C-certo! Ahn... Como é que eu posso explicar...?
— Professores são pagos para explicar, pivete. Se não sabe como fazer, deixe com os profissionais. — Resmungou Olivia, em um tom de deboche.
— Obrigado, tiazinha, mas eu posso fazer isso sozinho, afinal, eu ainda estou novo! Fica mais fácil de guardar tudo na memória! — "Tiazinha"? Oi? E com um pigarreio, Eclipse tomou a atenção de todos, antes que a classe começasse a rir desenfreadamente. —  Durante as aulas, todos receberão um pokémon aleatório cada! A sua missão é alimentá-los, cuidá-los e fazer com que evoluam (ou não, nem todos poderão evoluir). Enfim... Cuidem bem deles e estarão aprovados comigo!
— Quanta moleza! — Insistiu em resmungar a dona Olivia, ou melhor... Tiazinha!
— Como eu ia dizendo, peguem aleatoriamente qualquer pokébola aí no chão e cuidem bem do pokémon que vier dentro durante todo o ano letivo. — Ele se abaixou, juntou uma e atirou, saindo de dentro um Komala. — No final do ano, isso gerará nota e vocês serão selecionados como aptos ou não para tirar uma licença de treinador. Certos professores, ou melhor... Certas PROFESSORAS farão de tudo para que vocês se ferrem, mas oh, eu me esqueci de dizer. Se vocês forem mal em duas ou menos matérias, mas forem bem na minha disciplina, estarão aprovados!
Todo mundo se agitou. A coisa estava ficando boa.
— Eu vou... Tomar uma água. — Disse a Tiazinha, finalmente retirando-se, cada passo pesando mais que uma tonelada, batendo com força no chão, de tanta fúria. Eu tinha a impressão de que se ela ficasse ali mais um minuto, iria esgoelar aquele menino. E eu acho que ela também tinha.
— Beber bastante água de manhã cedo ajuda a emagrecer, sabia!?
Só se ouviu uma explosão do lado de fora, como se um tanque de guerra houvesse feito um buraco na parede. Eclipse prosseguiu:
— Bom, podem se abaixar e pegar uma pokébola, apresentar o pokémon retirado (escolher um apelido) e é claro, apresentar a si mesmo! Não vale trocar, hein?!

A primeira, a bem da esquerda, juntou uma pokébola que veio parar em seu pé. Lançou para o alto e...
— Um Oricorio! Que fofinho! Vou chamá-lo de Senhor Pom-Poms!

Ela utilizava um vestido do remendado. Parecia bem humilde, a coitada, mas seu sorriso ia de orelha a orelha quando viu aquela ave sacudir os penachos arredondados na ponta das asas, que realmente lembravam pompons.
— Seu nome, por favor? — Perguntou o Professor Eclipse.
— Acerola. — Respondeu a menina, alisando os pompons do pássaro amarelo ao qual ganhara e recebendo pequenos eletrochoques no processo.
— Próximo?
— Eeeu! Yuupii! — Uma miniatura de garota se atracou no chão e juntou uma Master Ball, rodopiando feito uma bailarina e então, alegremente a atirou para cima, quando um baque ensurdecedor tomou canta do lugar. Achei que o prédio fosse cair, mas não, era só o espaço ficando mais apertado. Uma Araquanid do tamanho do teto se projetou para fora da pokébola, e só o que a gente ouvia era "Põe de volta, põe de volta"!

O sufoco acabou quando Hapu, a garota minúscula, achou a pokébola (que ela tinha derrubado no chão, com o susto, no meio das outras) e colocou o gigante de volta para dormir. Graças a Deus. Aranhas, longe de mim.
— Um tipo Inseto e Água... Não faz muito o meu estilo, sou muito mais do tipo terrestre! Vou chamá-lo de Spider! Que tal?
— Spider? Adorei! É um ótimo nome! — Opinou a professora Burnet, cujos olhinhos brilhavam, quase como se ela tivesse vontade de treinar montaria com aquela criatura horripilante em suas aulas de sábado.
— Próximo? — Chamou Eclipse, anotando por fim, o nome de Spider.

Um rapaz alto, loiro, todo desajeitado juntou uma Level Ball do chão e a lançou, revelando seu parceiro de combate. De um jeito estranho, a criatura rodava o timão por conta própria enquanto flutuava fantasmagoricamente de um lado para o outro, como se tentasse chamar atenção. O único problema disso, é que o grito que a boca (que boca?) de Dhelmise projetava não era um simples grito de pokémon, mas um grito de terror, como se alguém o estivesse matando, o que eu acreditava já ter acontecido.

— AAAAAAAAAHHHHHH!
— Ceeeerto. O seu nome e o nome do pokémon?
— Molayne! E-eu sou Molayne! E o Dhelmise... Acho que vou chamá-lo de Dhelmise mesmo por enquanto. — Disse o altão desengonçado, e voltou a se sentar.
— Que tal Gritos? — Sugeriu Acerola, com aquele jeitinho inocente de dar dó.
— Vamos deixar só Dhelmise, por enquanto! Hehe! — Respondeu Molayne, uma gotinha escorrendo testa abaixo.

— Ah, Mina! Que bom que você veio! — Exclamou Eclipse ao ver quem era a próxima a pegar seu pokémon. — Tenho certeza de que você vai se sair muito bem aqui nas aulas! Vai ser uma moleza para você conquistar de volta sua carta de Capitã!
— É... Tanto faz. — Noiada. Que brisa! Sabe aquela voz arrastaaaaada, estilo rastafari? Pois é.
— Escolha um por favor. — Disse Eclipse indicando a bela c*gada que ele fez ao derrubar tudo no chão.
— Que droga. Eu tenho que me abaixar mesmo? — Era como se Mina estivesse tão fora da realidade que nem isso conseguia fazer. Acerola prontamente se adiantou e pegou uma pokébola qualquer para ela:

— Aqui!
— Obrigada... Eu acho. — E jogou para cima, revelando um... STUFFUL!
— Aí, maluco! Que bagulho rosa é esse? Parece de pelúúúciaaaa!
Pelúúúciaaaa.
— E o nome dele?
Pelúúúciaaaa.
Algodão. — Respondeu Mina prontamente. Mas o que eu queria que ela tivesse dito com aquela voz arrastada era:
Pelúúúciaaaa.
— Quem é o próximo?
— Gladion. E o meu parceiro é...
Mais um loiro. Esse até que bem bonitinho, mas com cara de marrento. Pegou uma Great Ball e de dentro dela saiu...
— Um Rockruff! Legal.
Ele havia dito "legal", mas sua expressão facial estava muito mais para um: "Que saco"! O pokémon, por outro lado, até que combinava com ele. Tinha cara de malvadinho também.
 
— Ele tem cara de Roque, não tem? Ou Roger*? Não sei, não consigo escolher...
— "Rodjer" parece legal! — Disse O Professor Nogueira, que obviamente tinha um carinho especial por Rockruff, pois já foi logo passando a mão na cabeça do pokémon.
(Nota = Roger é pronunciado como no inglês, "Rodjer".)
— É isso aí! Roger, então!
E por fim, chegou a minha vez. Meu coração parecia que ia sair pela boca. Para uma pessoa com transtorno de ansiedade como eu, fazer qualquer coisa que nunca foi feita anteriormente na vida era tipo assim. Um surto de nervosismo.
— Eu me chamo Ul. E eu fico com... Hmm... Deixa eu ver...
Abaixei-me e peguei uma pokébola cor-de-rosa. Love Ball, se não me engano. A sorte estava lançada. Fechei os olhos e atirei para cima... O que quer que viesse, era lucro.
— Luuuull!
A criaturinha pequena pousou em meu braço. Era do tamanho de minhas mãos.
— Um Morelull, dos tipos Grama e Fada! Parabéns!
Olhei para aquela coisinha minúscula e minha vontade foi de apertar até explodir. Que coisa fofa! Mas antes que eu pudesse fazer qualquer coisa, me contive. A Professora Burnet disse que os esporos desta criatura poderiam nocautear um adulto. E eu, como quase adulta, desta vez devo ressaltar que sou QUASE adulta (claro, por que me convém). Era melhor eu ficar quieta.
— Vou chamá-la de... Frutinhas! Combina com você, não combina?
Abracei o pequeno pokémon, que retribuiu carinhosamente o gesto, como um típico tipo Fada.
— Sam? — Chamou então Professor Eclipse, dando continuidade à tarefa. — Sam?
— A Sam não virá mais. — Atrás de mim, um garoto quieto e de olhar triste se levantou, respondendo a pergunta com um tom de voz distante, quase como se a tal Sam tivesse falecido. Ele se abaixou, pegou uma pokébola, sem fazer qualquer distinção, e sem dar um sorriso sequer. Ele também não ficou nem um pouco espantado por quase ser engolido. Do contrário, ele simplesmente abriu os braços e segurou em seu colo uma louca de uma Bruxish.
 
— É, acho que é isso! — Disse Eclipse, anotando "Bruxish" (Como é que se escreve mesmo?) na prancheta. — E qual o seu nome?
— Tra. — Respondeu o garoto em um tom sombrio, voltando a se sentar no fundão, isolado. Eu podia jurar que havia algo de errado com a voz dele. Mas... O que era? E aquele tom Dark? O que havia acontecido...? — E a Bruxish... Que tal Bruxa?
— Perfeito! — Anotou Eclipse, enquanto eu assistia o garoto retornar cabisbaixo para seu lugar, uma aura depressiva emanando de todas as suas células.
Antes que eu pudesse pensar em qualquer coisa então, a Professora Olivia abriu a porta de supetão, esmagando Eclipse na parede. (Te peguei!)
— Chega de moleza! — Gritou ela. — E vocês, senhores.... TODOS PRA FORA! É hora de trabalhar!

Continua...

FICHA DE PERSONAGENS
Ul
 
Tra (Travis)
 
Hapu
 
Acerola
 
Molayne
 
Mina
 
Gladion
 
Professor Nogueira
 X
Professora Olivia
 X
Professora Burnet
 X
Prof. Gabriel Carvalho
 X
Professor Eclipse
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeito em 1º lugar! Veja bem o que você vai comentar! ;)

SIGA-NOS