quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

Aventuras Tropicais 05 - Normalidade

Anteriormente em Aventuras Tropicais: Ul, a garota estrangeira, chega à Academia Konikoni, em Alola, onde tem por objetivo estudar e aprender mais sobre Pokémon. Em seu primeiro dia, já é designada a cuidar de um pequeno Morelull ao qual chamou de Frutinhas e logo mais, após obter seu primeiro Z-Crystal da Capitã de Desafio e colega de quarto Kahili, demonstrou que tem um coração enorme ao compartilhar a captura de um Shiny Froakie com toda a escola...

Agora:

Professor Carvalho tinha uma boa e uma má notícia para dar na aula de hoje e todos nós estávamos ansiosos, pois sabíamos que tinha relação com o próximo desafio de ilha.
— Pessoal, qual vocês querem ouvir primeiro? A boa ou a ruim? — Perguntou ele.
Todos respondemos que queríamos a ruim primeiro. Se a segunda fosse realmente boa, "abafaria" a ruindade da primeira notícia.
— A ruim é que vocês terão de enfrentar uma prova escrita para partirem ao próximo desafio de Ilha! Foi o próprio capitão do desafio que enviou a prova para a escola! Ela contém 32 questões objetivas e apenas o melhor será selecionado para a batalha!
Todos ficamos boquiabertos. Tipo... WHAAAT?! É sério isso, produção? O cara mandou um exame pra gente fazer? E DE TRINTA E DUAS QUESTÕES?! "CARVALHO"!!!
— E a boa? — Perguntou Hapu.
— A boa é que assim que a prova terminar, o ex-presidiário estará esperando vocês para conduzi-los até o barco para a Ilha de Melemele, onde acontecerá o desafio. Preparados?
Depois de uma bomba dessas e de uma notícia "boa" que não conseguiu nem em um milhão de anos quebrar o impacto da notícia ruim, quem é que estava?!

Pokémon Ultra Sol & Lua - Aventuras Tropicais
04 Normalidade

— Que prova era essa? Sem or, estou sem palavras! Que difícil! — disse Gladion, expressando sua opinião em um tom quase que de raiva.
— E aquela última questão, sobre a teoria do caos!? O que que é isso? De onde esse capitão tirou essas perguntas? — Questionou-se Tra.
— A verdade é que o capitão é muito exigente em relação àqueles com quem gosta de propor desafios. — Explicou Carvalho. — O jovem Ilima (Oops, falei o nome!) tem uma obsessão por inteligência e gosta de treinadores que demonstrem isso! É... Acho que ele vai ficar contente, pois alguém gabaritou!
— Ah, não! — Uma reação em cadeia começou a se manifestar após este comentário de Molayne. Todos arrastaram suas classes para a frente, pegaram suas mochilas e começaram a sair da sala.
— Adivinha quem foi que gabaritou!? — Debochou Akira.
— Como é que ela conseguiu? — Murmurou Mina.
Em um instante, só restava eu e o Professor Carvalho na sala olhando-me com olhos de "parabéns!". Gratidão, pessoal! Gratidão! Essa é a chave do sucesso!!!

Professor Colress nos guiou até o porto e de lá, tomamos a embarcação Drad Forever, rumo à Iki Town, uma cidadezinha minúscula, com absolutamente nada, NADA pra fazer. As casinhas de madeira possuíam telhados de telha laranja, paredes marrons e vários cercadinhos ao redor da montanhosa serra, que graças ao aclive, possuía diversas escadarias. Era também uma cidade bem tradicional, cheia de totens e estatuetas medonhas, além de palmeiras gigantescas e uma vista maravilhosa para uma montanha verdinha, em contraste com o céu azul ao fundo.
— Certo, aqui estamos! — Exclamou o Professor Carvalho. — E segundo meus cálculos... Ilima deve morar... Por aqui!
Meia hora após seguirmos o velho esquecido, finalmente encontramos a casa de Ilima. Parece que o cérebro do coroa estava dando de si. Já dá pra mandar matar.
A casa de Ilima era pequena e apertada, bem simplesinha, mas cheia de flores, com uma mesa enorme, cheia de chás e biscoitos. De repente, imaginei Mina toda embonecada tomando o chá das cinco com seu amigo Ilima. Altas paradas, mano. Altas paradas. Hahahah. A cena era hilária só de pensar.
— Sejam muito bem-vindos! — O tal Ilima era um garoto da nossa idade com cabelo cor-de-rosa, bronzeado e bem magrinho, com um estilo de mimado riquinho. Porém, o que me fazia prestar atenção no estilo playboy dele, não era nada disso, mas a incompatibilidade de gênios. A voz dele era muito, muito fina e a personalidade... Ah, maravilhosa!! Agora sim dava para imaginar ele e a Mina em suas "altas paradas". — Como podem ver, esta é minha casa, mas eu costumo chamar de repositório do arco-íris! Fiquem a vontade, tem espaço para todo mundo!
Então, o olhar do Capitão pousou em Mina e o dela... Ah, o  dela, obviamente não pousou em nada. Ela está sempre olhando para o distante. Mas a reação foi engraçada.
— MIGA, SUA LOKA! QUE CÊ TÁ FAZENDO NA ESCOLA?!
— Ah! Hã? Eu?! Ele tá falando comigo? Ah, hum... É que eu queria aprender mais!
Aham. Sei.
— Tá bom, eu acredito, mona! E o Robertão?
— ROBERTÃO?! — Num instantinho, Mina despertou do transe. Mas então logo voltou, um fio de baba caindo de sua boca: — Ah... O Robertão...
Fiquei imaginando o que estava se passando na cabeça de Mina nesse momento. G-zuis! Até me arrepiei!
— Você é gay?! — Disparou Acerola, voltando minha concentração para Ilima novamente.
— PARA QUIETA, PRAGA! — Ralhei com a dema. Isso era coisa de se perguntar?
— Classificar as pessoas de acordo com sua orientação sexual, como se fossem produtos de supermercado não faz o meu estilo, desculpa. — Credo. Voou longe a desgranida. Dois segundos de conversa e eu já estava amando esse Ilima. — Me chame do que quiser, eu não me importo. Mas voltando ao assunto... Quem foi o felizardo, professor?
— Ah, eu não entendi... Espera aí! Então você é hétero? — Outro tapado. — Eer... Que dizer... Ahn... Quem foi mesmo? Ah, sim! A Ul!
— Você? — Ilima apontou para mim, orientado pela cabeçada no ar que Gabriel Carvalho deu em minha direção.
— Isso!
— Huh... Vamos ver do que você é capaz, então! O desafio não é aqui, mas na Escola Primária de Iki Town, onde dou aula. Vamos todos pra lá?
Gladion revirou os olhos e mais uma meia-dúzia de estudantes cansados. Saímos da casa e caminhamos mais umas duas quadras até chegarmos na pequena escola que só tinha uma sala. A sala tinha quinze carteiras distribuídas em três fileiras de cinco, um quadro antigo, verde e de giz, um ventilador de teto e um relógio barulhento. Tic, toc, tic, toc. Em uma das paredes, diversos cartazes coloridos, com desenhos de pokémon feito por crianças e diversas coisas, tipo o alfabeto e a tabuada do um. Do outro lado, havia uma portinha fechada e do lado desta porta, uma grande parede de vidro que dava para uma sala extremamente escura, que deveria ter como entrada aquela porta. Era lá que eu teria meu primeiro desafio?
— Ah, o que eu...?
Fui interrompida por uma sineta. Ilima tocava um sino manual que pendia do teto, próximo ao quadro negro, trazendo para dentro da sala, 13 crianças que brincavam na pracinha adjacente. Era hora da aula, tanto para eles quanto para nós, pelo visto.
— Prestem bastante atenção, crianças! Hoje vamos ver um Desafio de Ilha! A participante é essa mal vest-- Quer dizer... Essa garota, lá da Academia Konikoni! Por favor, aplausos para a Ul!
— Boa sorte, tia! Estou torcendo por você! — Disse um menininho que segurava um Growlithe de pano.
— Vai lá, tia! — Uma menininha de cabelos esverdeados falou, com um brilhinho nos olhos. Aquilo era... Excitação?!
— Você consegue! — disse outra criança, extremamente empolgada.
Senti-me como uma passarela. As crianças aplaudiam e assoviavam. Vieram com tanta velocidade daquela pracinha que até estranhei, mas agora fazia sentido. Eles vieram correndo porque GOSTAVAM de ver Desafios de Ilha e sabiam que era o Professor Ilima que ministrava as atividades!
— Senhorita Ul, por gentileza, vamos passar para o Anfiteatro? — Ele indicou a porta e a abriu, como quem diz: damas na frente. Do outro lado da portinha, havia uma escada que levava para o alto. Comecei a subir, Ilima me seguindo. — Os outros, fiquem todos aí! Assistam através do vidro , amores! — Avisou ele, barrando Molayne e Akira, que tentaram vir atrás da gente, e apontando para o grande vidro que dava para a sala escura. Mas nós não fomos para a sala escura. Pelo contrário: a escadaria dava no teto da escola, no que eu imaginava ser o topo da sala escura.
— O que vamos fazer aqui em cima? — Perguntei, louca de medo de esse desafio ter qualquer relação com balões de ar quente.
— Você vai responder a algumas questões, flor! Posso te chamar assim, né? Você não se importa, né? Ah, mesmo que se importe, vou chamar do mesmo jeito! Gostei! Flor! Combina com você! Enfim, pronta?
— Pronta!
— Então seja bem-vinda ao desafio da cidade de Iki! Você terá de responder a algumas perguntas relacionadas à fauna da Região de Alola. — Ih, ferrou. Nessas horas, é brabo ser intercambista. — Procure não errar! Ah, e é proibido usar pokébolas! Todo maldito Capitão é obrigado a te dizer essa frase antes de iniciar um desafio, então não me acuse! Hahaha! Posso começar?
— C-certo! Pode!
— Pergunta número 01: "Como resultado das dores de cabeça tão fortes que o fazem chorar, ele algumas vezes usa psicocinese sem querer." Que pokémon é este?
— Ah, essa é fácil! É o Psyduck! — Respondi prontamente.
— Certa Resposta! Próxima: Que pokémon é esse? "Acredita-se que a parte vermelha em sua testa concede poderes sobrenaturais para aqueles que o possuem, então ele era caçado excessivamente no passado.
Parte vermelha da testa? Bom, talvez uma Vespiking, ou um Persian...? Não, não me lembro de nenhuma Vespiking na pokédex de Alola e os Persian... Os Persian daqui não possuem testa vermelha, mas azul. Ah, então ele só pode estar falando da mesma linhagem evolutiva! Será?
— Golduck?
— Certa resposta! Parabéns! Vejo que o nível iniciante passa batido para você! Que tal elevarmos o nível das perguntas?
— Pode mandar! — Caí na asneira de dizer dava para aumentar. Foi aí que o verdadeiro desafio começou.
— Esse Pokémon tem como fato conhecido que ele pode ficar com tanta raiva que acaba morrendo como resultado. Entretanto, seu rosto parece em paz na morte. Quem é ele?
WTF? Que bizarro!
— Meu Arceus! Virxe Maria! Que raios de pokémon é esse? Só pode ser um tipo fantasma! Ah, só pode! Que tal... Gengar? Não, esse não é raivoso. Talvez... Mimikyu? Mimikyu e sua raiva eterna pelo Pikachu? É, talvez possa ser ele! É o Mimikyu?
Ilima deu um sorrisinho endiabrado (o mesmo que Kahili apresentara durante nosso desafio) e disse:
— Resposta errada!

De repente, o chão abaixo de mim desapareceu e eu caí em um alçapão, dando com a b*n*a no chão (AI! Tá doendo até hoje, se bobear). As luzes se acenderam e eu percebi onde estava. Era uma "caixa" com três paredes de madeira e a quarta era nada mais nada menos que o vidro! Do outro lado, todos os meus colegas e mais as crianças acenavam, com uma cara de pavor, quase como se uma coisa monstruosa se movesse atrás de mim. AI-MEU-AR-CEUS! Virei a cabeça lentamente para trás e lá estava uma criatura pavorosa: Yungoos, um tipo normal de corpo esguio e comprido, pelos castanhos e dourados e é claro, mandíbulas de dinossauro gigantemente desproporcionais!
— Yun, yun!
Por que que ele tá fazendo "nham nham" pra mim? Será que ele quer me devorar? Aaaaah! De jeito nenhum!
— Vaaai, Frutinhas! Defenda-me deste pervertido!
Do outro lado do vidro, as crianças vibravam, quase tendo um troço. Mas não dava para ouvir nada. O vidro era tão grosso que bloqueava qualquer som externo. Éramos só nós três ali dentro e uma batalha feroz à minha frente. Yungoos iniciou com um Ataque de Areia, diminuindo a precisão de Morelull ao jogar terra em seus olhos. Contudo, Frutinhas ainda parecia capaz de brilhar, por isso ordenei um Brilho Cintilante. O efeito? Nenhum! Parece que os olhos de Frutinhas estavam mesmo prejudicados depois daquele ataque!
 
— Essa não! Frutinhas!
Então Yungoos abriu aquela bocarra enorme e aproveitou o momento de agonia da pobre frutinhas para tacar uma Mordida Selvagem nela.
— FRUTINHAS! Use... Use...
Mas eu não conseguia pensar em nada. Frutinhas estava cega e ficar dentro daquela caixa apertada com um predador voraz como Yungoos não me deixava muito confortável (Mas mil vezes isso do que aquele balão da Kahili). Mas que tipo de pokémon Yungoos era? Se eu bem me lembro, Akira tem um! O que ele me dissera mesmo? Sobre os Yungoos?
E mais uma Mordida! Dessa vez, da simples, mas por sorte, Morelull é tipo Fada e isso reduz a efetividade de qualquer golpe noturno em 50%. Ei! Espere! NORTUNO?! É isso aí! Lembrei!
 
— É por isso que só os mais inteligentes (como eu haha) podem desafiar Ilima! Este é um teste de raciocínio! Primeiro as perguntas e agora Yungoos! Pois eu bem me lembro que este é um pokémon de hábitos totalmente diurnos! Assim que o sol se põe, Yungoos cai no sono diretamente, colapsando de exaustão e dormindo exatamente onde está, seja lá onde for! Então o que temos que fazer é exatamente o contrário, Morelull! Vamos APAGAR as luzes! Nó de Grama!
Grama cintilante brotou do piso de madeira (foi mal, Ilima) e as folhas cresceram e cresceram, até quebrarem a lâmpada que iluminava a sala, até tudo ficar na total escuridão de antes.
— Yun? Yuuunnzzzzz...
— Funcionou? DEU CERTO!
Yungoos dormiu. Era a nossa deixa.
— Frutinhas, Nó de Grama de novo!
 
Assim  que Yungoos deitou os cabelos, o alçapão começou a se desfazer e o chão começou a subir, elevando-me novamente ao teto, onde Ilima assistia a tudo, boquiaberto.
— Bixa, a senhora é inteligenta mesma, viu viada?
— Obrigado! E... Qual era a resposta?
— A resposta para a questão era Primeape e não Mimikyu. Por favor, dirija-se para cima do próximo alçapão, para caso de erro. Posso fazer a próxima pergunta?
Meu Arceus! Era sério isso? Fui pisando bem de leve no teto, louca de medo de cair em um alçapão invisível, mas logo me puz sobre o que parecia ser um quadrado no chão, onde uma porta poderia se abrir a qualquer instante e me por em uma situação como aquela de novo.
— Pergunta número 04: Ele vive em mares rasas, próximo à praias. Assim que acham um local que consideram agradável, fixam-se nele e não saem de lá nem para comer. As pessoas precisam devolvê-los para a água antes que morram de fome! Que pokémon é esse? 
— Essas descrições estão cada vez mais bizarras! Mas é um Pyukumuku, tenho certeza!
— Certa resposta! Pergunta #05: Eles projetam seus órgãos internos para fora do corpo com o intuito de bofetear o oponente. Que pokémon são esses?
Ah, é algum tipo de pegadinha? Eu já falei Pyukumuku. Não pode ser o mesmo de novo! Será? Ah, não... Que tal... Que tal... Bruxish? Aquele órgão sensorial na cabeça de Bruxa poderia ir bem com essa descrição. Ou então... Shellder? Aquela língua é um órgão interno, certo? Cloyster? Lickitung? Mega-Glalie?
— Ahn... É o... Cloyster?
— Ah, que pena, Ul... Era o Pyukumuku! De novo!
— AAAAH! VOCÊ ME PAGAAAAAA!
As portas se abriram novamente sob meus pés e caí de novo, desta vez, ajoelhada (que doooor). Estava em outra caixa agora, o vidro às minhas costas e todo mundo mega excitado, como se aquela fosse uma jaula de gladiadores. E por falar em "pega-ratão", o meu oponente era... Pff, um Rattata!
— Rattatatatatatatata!
— Parece uma metralhadora esse bicho! Já sei! Vou usar Shinobi! Vai!
Shiny Froakie, que eu carinhosamente apelidei Shinobi, estava reservado para mim naquela tarde, então eu poderia usá-lo onde quer que eu quisesse, fosse em uma tarefa da escola ou em um desafio de ilha.
Rattata deui as boas vindas atacando primeiro. Espere! Aquilo não era um ataque em si! O alvo era ele próprio! Rattata começou a brilhar com o Energia Focalizada!
— Froakie, aproveite o momento e use o Corte!
 
Froakie projeta uma pequena navalha de luz, atravessando o peito de Rattata e tirando-lhe alguns pontos de energia. Mas o bichinho insistiu e insistiu em focalizar suas energias.
— Ha! Mas essa tá muito fácil! Froakie, Bolhas!
 
Da boca de Froakie, são expelidas bolhas que deixam Rattata quase zerado de HP, atingindo a faixa amarela. Era um pokémon de nível baixo que passou dois turnos inteiro sem fazer qualquer ataque direto. E no terceiro round, adivinha o que ele usou? Energia Focalizada de novo! Mais um ataque e Froakie venceria!
Corte!
 
Froakie acertou mais um corte e a energia de Rattata foi ao vermelho. Mas algo me dizia naquele olhar mesquinho que era exatamente isso o que ele queria... Após aquele terceiro focalizar, Rattata mudou rapidamente de posição. Era hora do ataque. E QUE ATAQUE!
Froakie colou na parede com a poderosa Investida de Rattata, que após tantos Energia Focalizada, foi um golpe crítico, removendo quase que completamente o HP de Shinobi.
Rattatas são pokémon ladrões que roubam comida para seus chefes Raticates. Eu deveria saber que o comportamento de Rattata seria planejado. Pokémon ladrões costumam ser calculistas e logo um tipo normal e sombrio como Rattata... Ah, eu deveria ter previsto isso antes!
Mas não deu em nada, por sorte, afinal eu tinha uma arma na mão. Um truque que aprendi com Tra: uma Focus Sash, item que impede que um pokémon seja derrotado diretamente por um único golpe. E assim foi. Froakie ficou com 1 de HP, rivalizando com Rattata, que estava praticamente na mesma.
— Ataque Rápido!
 
Assim que Froakie bateu em Rattata com um jogo de corpo de alta velocidade, o chão se elevou e eu voltei à superfície.
— Meus parabéns! Vai errar de novo?
— NÃO! Me recuso!
— Acerte as próximas perguntas e estará pronta para o desafio dos totens!
Peraí? Ele disse Totens? No plural? Tem mais de um?
— Pergunta número 06: Elas são pokémon conhecidas pela beleza de suas pernas torneadas, aparecendo frequentemente como mascotes em outdoors de salões de beleza. De quem estou falando?
— Hmm...Poderia ser a Gardevoir, mas eu vou dar um chute! Tsareena?
— Certa resposta! Tsareena! Pergunta número 07: Os cristais no corpo dele são pedaços de toxinas. Se ele cai, os venenos letais escapam.
— Grimer de Alola!
— Certo! Onde tem cristais no corpo dele, eu não sei, mas é o que a pokédex diz, então vamos respeitar... Próxima! Pergunta número 08 e antepenúltima: Eles criam verdadeiras "bolachas" de pólen que são muito nutritivas, vendidas pelos seres humanos como suplemento aqui em Alola!
— Pólen? Estou na dúvida entre Cutiefly e Ribombee... Mas acho que Ribombee... Certo?
— Certa resposta! É o Ribombiba!
— Ih, migs! Essa piada floppou!
— É, né?! Então deixa em off! Pergunta número 09, penúltima... Estar envolto em seu longo pelo é tão confortável que uma pessoa ficaria bem mesmo durante a noite em uma montanha invernal. Ele costuma resgatar as pessoas encalhadas por tempestades nas montanhas e serve de montaria.
— Ainda bem que eu presto atenção nas aulas de sábado! É Stoutland!
— Certoo! E agora... A última pergunta! Número 10, que desta vez não é sobre um pokémon em si, mas sobre um ataque! Este movimento serve para que o usuário "aprenda" permanentemente o último movimento usado pelo alvo! Que ataque é esse?
— Um ataque que copia permanentemente o ataque do alvo? Arceus! Será que é o Mímica? Não... Talvez o Ataque Espelho? Ou o Imitador? Hmm... Eu não consigo me lembrar... Nessa você me pegou!
— Vamos fazer o seguinte: Pra você não ter que batalhar diretamente contra mais um pokémon, vamos direto para a batalha dos totens! O que você acha?
— Excelente! E qual é a resposta?
— Você vai descobrir durante a batalha!

Descemos a escadinha e saímos dentro da sala de aula, os alunos todos aplaudindo minha performance em batalha. Antes que eu pudesse perguntar onde iríamos, Ilima me puxou por um braço e convocou todos para saírem da sala de aula e irem até um palanque no meio da cidade, bem em frente ao prédio da escola. Quando subimos lá, um aglomerado de gente começou a se acumular nos arredores.
— O que...? — Perguntei.
— Este é um local especial, onde batalhas costumavam ser travadas em homenagem aos deuses, por isso, as pessoas ficam eufóricas quando alguém vem batalhar aqui, na esperança de verem Tapu Koko, ao vivo e em cores! Mas hoje vai ser só eu e você! O que você acha?
— Estou dentro!
— Então está na hora de convocar meus aliados!
Alguém na plateia alcançou para Ilima um item que reconheci como a "flauta branca". Ele levou o item na boca e uma doce melodia começou a tocar...
 
   
Dois Pokémon Totem imediatamente apareceram, um à minha esquerda e outro à minha direita. O primeiro era um Gumshoos, evolução de Yungoos, com presas maiores, mas agora proporcionais e um penteado à la Donald Trump. Do outro lado, um balofo de um Raticate, que nada mais é do que um Rattata rechonchudo e com bigodes mais claros do que sua pré-evolução. De ambos, emanava uma aura de energia.
— Seja bem-vinda ao Battle Royal! — disse Ilima, pondo-se à minha frente, do outro lado do palanque.
— Battle Royal, o clássico estilo de luta de Alola? Mas aqui só tem dois pokémon e em um Battle Royal são três oponentes!
O Capitão então pôs os dedos dentro da boca e assoviou. Um terceiro (e minúsculo) pokémon apareceu correndo, todo atrapalhado e tomou a terceira posição.
— Smeargle?
Essa parada de Capitães de Desafio era nível Hard! Sério! Que horror isso! Esse era o meu segundo desafio e parecia tão "saído de um pesadelo" quanto o anterior.
— O desafio não é derrotar todos os oponentes, mas apenas um! Assim, se eu te derrotar primeiro, eu venço. Se você derrotar qualquer um dos meus três pokémon primeiro, você vence. A diferença é que eu tenho 3 pokémon ao mesmo tempo e você, só um por vez. A chance de eu te vencer é maior, mas você tem 3 alvos diferentes, e todos eles são do tipo normal, ou seja, não são super efetivos contra nenhum outro tipo.
— PQP! Não seria mais fácil eu só batalhar contra um dos totens, derrotá-lo e deu?
— Querida, eu sou a rainha aqui e eu dou as ordens! Siga-as, por gentileza!
— Grrrr! Shinobi, vai! — Eu já estava ficando irritada. Isso parecia não ter fim nunca (e o meu traseiro ainda estava doendo).
Escolho Froakie novamente. Os olhinhos de Shinobi se arregalaram. Essa era a segunda vez em um curto espaço de tempo que ele teria que batalhar contra três oponentes, começando pelos Salandits e agora pelos dois totens e o ajudante maroto do Smeargle.
— Você tem as honras! Pode atacar primeiro!
— Deixa eu ver... — Quais os golpes de Froakie mesmo? Tinha o Time Duplo, as Bolhas, a Pulsação de Água e é claro, o Corte. Nenhum deles seria super efetivo em nenhum de meus oponentes, uma vez que os tipo normal geralmente são fracos a ataques tipo lutador, mas eu contava com a força de Froakie e além disso, se meu plano não desse certo, tinha a Tina e o Ash para pôr em campo ainda, supondo-se que Shinobi poderia ser substituído antes de ser derrotado.  — MULTIPLICAR!
Froakie começou a se multiplicar, criando cópias ilusórias de si mesmo para dificultar sua real localização. Mas o que eu não previa era o que vinha a seguir.
— E a resposta para a última pergunta era: Salvar em Rascunho!! Vai! Smeargle!!!
Smeargle começou a desenhar no ar com a ponta de sua cauda, criando réplicas ilusórias igualzinho a Froakie. De repente eram  vários Smeargle pintando o sete (perdão pelo trocadilho). Então essa era a resposta da décima pergunta? Um movimento que serve para que o usuário "aprenda" permanentemente o último movimento usado pelo alvo... Bem, isso ia ser um problema. Agora Smeargle estava copiando a minha tática. Mas ainda havia outros dois alvos para serem derrubados.
— Lancem! — Ordenou Ilima e por um instante, eu fiquei sem entender. Então, o imprevisto aconteceu. Gumshoos e Raticate brilharam um pouco mais suas auras e... Poof! Elas desapareceram!
 
Smeargle então dá um grito bem grave, seus músculos começam a crescer e ele começa a brilhar, I mean, todas as cópias ilusórias dele começaram a brilhar ao mesmo tempo e eu já não sabia de mais nada.
— Essa aura... — Professor Carvalho parecia ter sacado alguma coisa lá da plateia. — Essa SIM é a verdadeira aura de um Pokémon Totem!
— Ul! É um truque! Um truque mais ilusório do que o Multiplicar do Froakie! — Avisou-me Tra.
O que eu estava vendo era mesmo o que eu estava vendo? A luz de Smeargle não se apagou como a de seus aliados. Não, pelo contrário, a aura continuou existindo e brilhando de uma maneira muito mais intensa, como se fosse um fogo alaranjado, o que significava que... 
WTF?!
FUI TAPEADA! Alolan Raticate e Gumshoos não eram o verdadeiro desafio! Agora eu percebi! O tamanho deles é realmente o tamanho de Raticates e Gumshooses normais enquanto que o Smeargle parecia um pouco mais fortinho que os Smeargles comuns!
Então eles... Eles estavam fingindo ser totens e brilhavam não por causa da aura que todo pokémon totem assume ao entrar em batalha, mas de um movimento que gerava uma aura extremamente semelhante à dos totens ao redor do corpo do usuário: Mãozinha! Como eu não percebi antes?!
— Isso foi um Mãozinha!? E... Então... Então o Totem é o Smeargle?!
— Você achou mesmo que eu daria dois totens para você enfrentar de uma só vez?! Claro que não, bobinha! A boa notícia é que eu sou má, mas nem tanto! E a ruim é que o Mãozinha, movimento que ensinei especialmente para Gumshoos e Raticate simularem auras de totens, como se fossem eles o seu real adversário, amplia em 50% a base de poder do próximo ataque do aliado, que no caso é o Totem Smeargle. Então 50% + 50%, somando os dois Mãozinhas, dá 100%, ou seja, o próximo ataque de Smeargle terá o dobro de poder!
Recapitulando: Se você não entendeu o que acabou de acontecer, fique sabendo que eu também não, mas o lance é o seguinte: Gumshoos e Raticate me engaram, passando-se por totens. Como este é um Battle Royal e eu só preciso derrotar um dos três oponentes, logo minha atenção foi atraída ao Smeargle, que era o único "não-totem" dali, logo, mais fraco. Porém, eu não cheguei a atacar ninguém diretamente, uma vez que Froakie se multiplicou. Foi aí que entrou o Salvar em Rascunho, que copiou o movimento de Shinobi. Até então, neutralidade total. Ninguém saiu ferido. Agora, com Raticate e Gumshoos ampliando o poder de Smeargle em 2x e ele se revelando o verdadeiro desafio, eu estava em uma p*ta desvantagem! Fui pega direitinho! Sim, este era um desafio de inteligência e eu temia que não era nenhum pouco esperta perto de Ilima. (PS: Esqueçam que eu disse isso!)
O que eu deveria fazer então? Atacar Raticate ou Gumshoos, pois eles, por não serem totens de verdade, deveriam ser mais fracos, em tese, que Smeargle. QUE NADA.
— Shinobi, use o Pulso de Água duplo! Lance uma no Raticate e outra no Gumshoos!
Froakie_Double_Water_Pulse 
— Smeargle? — Apenas chamou Ilima. No mesmo instante, o Multiplicar de Smeargle se fez presente na frente de meus alvos e quem levou todo o dano foram as réplicas do pokémon pintor, que se desintegraram no mesmo instante, mas protegeram Raticate e Gumshoos de serem atacados. Cinco minutos de batalha e ninguém havia recebido nenhum dano até agora. Era tudo um teste de raciocínio. Mas não ficou assim por muito tempo. — Mordida e Hiper Presa! Vão!
 
Cada um dos ilusionistas mordeu em um dos braços de Froakie, tirando dano e imobilizando-o. E lá vinha o ataque de Smeargle, duas vezes mais forte que o convencional por causa do Mãozinha.
— HIPER RAIO! — Gritou Ilima com aquele brilhinho assassino nos olhos.
 
E lá veio a bomba. Um Hiper Raio massivo, duas vezes mais grosso do que um normal e duas vezes mais quente, explodindo tanto a Shinobi quanto Gumshoos e Raticate, que estavam grudados, mordendo os braços de Froakie. A plateia surtou. Era esse o meu fim?
Nah, que nada. 
A fumaça restante do hiper raio de Smeargle se desfez e do lado de lá, estavam Gumshoos e Raticate, extremamente feridos (pelo próprio aliado). Mas... Onde estava Shinobi?
— O que?! Era só uma cópia?!
— É claro! 
Todas as cópias de Froakie ainda estavam ativas, assim como algumas das de Smeargle (duas haviam sido bombardeadas e desfeitas pelo Pulso D'água). Porém, como Ilima não queria perder tempo atacando minhas cópias até descobrir o verdadeiro, ele foi direto no Froakie que atacou com o Pulsação de Água, imaginando que só o legítimo Shinobi poderia realizar movimentos. Mal ele sabia que eu tinha ensinado as cópias a atacarem de forma independente. Ou seja: As réplicas poderiam atacar por elas mesmas, sem precisar o verdadeiro Shinobi revelar sua posição.
— Onde está o verdadeiro?
Smeargle só deu um grito. Algo havia o atingido. A adaga espiritual do Golpe Cortador do verdadeiro Froakie havia atravessado das costas para o peito de Smeargle. Parece que o verdadeiro Shinobi estava escondido debaixo do palanque e só subiu quando viu que Smeargle estava distraído, atacando-o por trás.
— FU--
— Froakie, termine com o Bolhas!
Que momento para Ilima não ter destruído as réplicas de Froakie. Todas as que restaram começaram a cuspir bolhas explosivas no alvo (que no caso era o Totem).
 
No mesmo instante, Smeargle desabou e sua aura se apagou. Seus olhos giravam fora da órbita. O Trial estava encerrado!
— Aaah! Meu precioso Smeargle!
— Foi-se!
Ilima abaixou-se e recolheu o enorme do totem em seus braços. Gumshoos e Raticate saíram correndo em direção à floresta de onde vieram.
— Muito bem... Você derrotou Smeargle e isso significada que o Battle Royal está oficialmente encerrado. Você venceu o desafio. Tome, este é um Normalium Z, para você performar o Z-Move Carreira Esmagadora, do tipo normal, que poderá ter como base o Cortar do Froakie. Você pode ainda usar o Normalium-Z no Time Duplo para performar o Z-Time Duplo, que além de criar as réplicas, irá resetar os stats negativados/diminuídos durante a batalha.
Ele me entregou o pequeno Cristal Z do tipo normal e me deu um abraço em agradecimento pela grandiosidade daquela batalha e por minha reconhecível (cof, cof) inteligência em esconder o verdadeiro Froakie. Então...
— Froakie, froa!
— Eei! Tem algo acontecendo com o Froakie!
Shinobi começou a tremer e a passar mal. De repente, todas as suas moléculas se desestabilizaram e se reagruparam, formando um novo ser: Frogadier!
 
— Evoluiu! — Exclamei, incrédula. — Esse é o primeiro de meus pokémon a evoluir!
— Seu? Nãoooo, negativo ! Froakie é da escola! — Advertiu-me o Professor Carvalho e esse foi o motivo por todos caírem na gargalhada, encerrando mais um episódio de minha jornada para me tornar uma Mestre Pokémon.


Continua...

FICHA DE PERSONAGENS
Ul
   
Tra (Travis)
  
Hapu
  
Acerola
  
Molayne
  
Mina
  
Gladion
  
Akira
  
Kahili
  
Ilima
 
Professor Nogueira
 
Professora Olivia
X
Professora Burnet
 
Prof. Gabriel Carvalho
Professor Eclipse
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Respeito em 1º lugar! Veja bem o que você vai comentar! ;)

SIGA-NOS